Livro Mau-olhado - Veiga Miranda

1 Disponível em estoque

formato 14 x 22 cm . encadernado sobre capa. livro usado em bom estado de conservação com as páginas amareladas devido ação do tempo leves desgastes nas bordas... Veiga Miranda (1881-1936) foi engenheiro, professor, jornalista e político, além de escritor. Manteve intensa atividade literária, colaborando em periódicos, publicando romances, livros de crônicas, contos e novelas, uma peça de teatro, e volumes de ensaios biográficos ou de crítica literária. Mau olhado é o segundo romance do autor, publicado pela primeira vez em 1919 pela Livraria Editora Leite Ribeiro, e reeditado em 1925 pela Cia. Graphico Editora Monteiro Lobato. A ação se passa ainda na época da escravidão, na zona rural do nordeste paulista, onde transcorre a trágica história do jovem padre Olívio e de sua madrasta Maria Isolina. Para Lobato, o autor “reafirma seus magníficos dotes de pintor de almas e costumes. O enredo transcorre dentro do quadro agreste da vida roceira. Lê-lo é ter desdobrada ante os olhos a cinematografia colorida das fazendas abertas no sertão – luta bárbara do homem contra a selvageria”.

ISBN: 9788531413957


Código de Barras: 9788531413957


Origem: Nacional


Idioma: Português


Categoria: Livros


Autor:Veiga Miranda


Título: Mau-olhado


Editora:Edusp


Edição: 1ª Edição


Ano: 2012


Assunto:Literatura Brasileira


Páginas: 378


Peso: 900 gramas


Conservação: Produto Usado



Descrição

formato 14 x 22 cm . encadernado sobre capa. livro usado em bom estado de conservação com as páginas amareladas devido ação do tempo leves desgastes nas bordas... Veiga Miranda (1881-1936) foi engenheiro, professor, jornalista e político, além de escritor. Manteve intensa atividade literária, colaborando em periódicos, publicando romances, livros de crônicas, contos e novelas, uma peça de teatro, e volumes de ensaios biográficos ou de crítica literária. Mau olhado é o segundo romance do autor, publicado pela primeira vez em 1919 pela Livraria Editora Leite Ribeiro, e reeditado em 1925 pela Cia. Graphico Editora Monteiro Lobato. A ação se passa ainda na época da escravidão, na zona rural do nordeste paulista, onde transcorre a trágica história do jovem padre Olívio e de sua madrasta Maria Isolina. Para Lobato, o autor “reafirma seus magníficos dotes de pintor de almas e costumes. O enredo transcorre dentro do quadro agreste da vida roceira. Lê-lo é ter desdobrada ante os olhos a cinematografia colorida das fazendas abertas no sertão – luta bárbara do homem contra a selvageria”.